quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Castelo de Areia

Sol a pino. Maresia. Ondas ritmadas. Na praia está um menino. Ajoelhado, ele cava a areia com uma pá de plástico e a joga dentro de um balde vermelho. Em seguida, vira o balde sobre a superfície e o levanta. Encantado, o pequeno arquiteto vê surgir diante de si um castelo de areia.
Ele continuará a trabalhar a tarde inteira. Cavando os fossos. Modelando as paredes. As rolhas de garrafa serão as sentinelas. Os palitos de sorvete serão as pontes. E um castelo de areia será construído.
 

 
Cidade grande. Ruas movimentadas. Ronco dos motores dos automóveis.
Um homem está no escritório. Em sua escrivaninha, ele organiza pilhas de papel e distribui tarefas. Coloca o fone no ombro e faz uma chamada. Como que num passe de mágica, contratos são assinados e, para grande felicidade do homem, foram fechados grandes negócios. 
Ele trabalhará a vida inteira. Formulando planos. Prevendo o futuro. As rendas anuais serão as sentinelas. Os ganhos de capital serão as pontes. Um império será construído.

 

Dois construtores de dois castelos. Ambos têm muita coisa em comum. Fazem grandezas com pequeninos grãos. Constroem algo do nada. São diligentes e determinados. E, para ambos, a maré subirá, e tudo terminara.
Contudo, é aqui que as semelhanças terminam. Porque o menino vê o fim, ao passo que o homem o ignora. Observe o menino na hora do crepúsculo.
 
 
Quando as ondas se aproximam, o menino sábio pula e bate palmas. Não há tristeza. Nem medo. Nem arrependimento. Ele sabia que isso aconteceria. Não se surpreende. E, quando a enorme onda bate em seu castelo e sua obra-prima é arrastada para o mar, ele sorri. Sorri, recolhe a pá, o balde, segura a mão do pai e vai para casa.
 


O adulto, contudo, não é tão sábio assim. Quando a onda dos anos desmorona seu castelo, ele se atemoriza. Cerca seu monumento de areia, a fim de protegê-lo. Impede que as ondas alcancem as paredes construídas por ele. Encharcado de água salgada e tremendo de frio, ele resmunga para a próxima onda.
— E o meu castelo — diz em tom de afronta. 



O mar não precisa responder. Ambos sabem a quem a areia pertence...
E eu não sei muito sobre castelos de areia. Mas as crianças sabem. 
Observe-as e aprenda. Vá em frente e construa, mas construa com o coração de uma criança. Quando chegar a hora do pôr-do-sol e a maré levar tudo embora aplauda. Aplauda o processo da vida, segure a mão do Pai e vá para casa.

7 comentários:

Jardeane disse...

Oi gata...
adorei a sua visitinha la no meu blog,seu cantinho é um encanto adoreiii.bjus
seguindo!! *-*

http://docemeell.blogspot.com

Geisson disse...

Curti o blog,

to seguindo, retribui??

abraços,
http://devilge.blogspot.com

Angel@ disse...

Linda postagem, amiga!
Manter a serenidade e a fé nos momentos de aflição fortalecem nosso espírito! Segurar sempre firme nas mãos de Deus, nosso Pai, é o caminho seguro para contornar as dificuldades e encontrar a paz!
Que Deus continue te inspirando sempre mais!
Beijos perfumados,
Angela

ღ Sensitivity ღ disse...

Bela história.
Um ótimo fim de semana.
Beijinhos estalados.

Mulheres INDO disse...

QUE LINDO BLOGS, CHEIO DE PAZ E AMOR.
EU N PODERIA DEIXA DE SEGUIR ELE. NOSSO EU AMEI TER ENCONTRADO VC MINHA NOVA IRMÃ.

Déya disse...

Demorei mas cheguei....
E amei, muito lindo por aqui.
Beijo querida..

Mulheres INDO disse...

obrigado Talita por vc ter ido conhecer nosso cantinho. fica com DEUS. ESSE LOUVO QUE TOCA QUANDO A GENTE VER SEU BLOGS E MARAVILHOSO.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...